Ipsemg promove live sobre o Projeto de Lei

Em transmissão on-line, presidente apresentará as principais propostas do PL  que visa a sustentabilidade financeira do instituto

Com o objetivo de apresentar as principais propostas e esclarecer dúvidas, o presidente do Ipsemg (Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais), André dos Anjos, fará uma apresentação ao vivo, nesta sexta-feira, 10, às 14h30, no canal do Youtube Ipsemg Online.

A transmissão é destinada a todos os beneficiários e interessados no tema, e abordará como o PL foi elaborado, bem como as principais propostas em discussão na ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais).

Além disso, durante o evento, será lançada a calculadora de simulação, na qual o beneficiário poderá simular, com as propostas de mudança, o que será efetivamente alterado na contribuição de assistência à saúde para uma garantia de maior oferta dos serviços.

Pontos de destaque no Projeto de Lei

  • Regras de contribuição

​A alíquota de contribuição permanece inalterada em 3,2% sobre o valor da remuneração do titular. A proposta visa corrigir fragilidades identificadas, como a existência de beneficiários que utilizam o Ipsemg sem contribuir, a atualização dos valores mínimos (piso) e máximo (teto) de contribuição, a definição de um rol de cobertura para procedimentos e a garantia da assistência à saúde para o público idoso.

  • Piso e teto

Nos últimos doze anos, houve apenas uma atualização nos valores do piso e do teto de contribuição, quando o piso passou de R$ 30 para R$ 33, e o teto de R$ 250 para R$ 275. Conforme a inflação neste período, especialmente na área assistencial, sugere-se o reajuste do piso de R$ 33 para R$ 60 e o teto de R$ 275 para R$ 500.

  • Fim da isenção para dependentes

Atualmente, os filhos de 0 a 20 anos são isentos de contribuição, ou seja, cerca de 113 mil pessoas utilizam a assistência sem nenhum custo. Propõe-se, então, que esse público contribua com o valor do piso de R$ 60, limitado ao teto familiar. Isso irá afetar 19% dos titulares, que atualmente não contribuem para seus dependentes.

  • Fim da isenção indireta para cônjuges

Os cônjuges, atualmente, já contribuem com 3,2% da alíquota de contribuição da remuneração do titular. Contudo, como hoje estão incluídos no teto do titular, cerca de 43 mil pessoas possuem algum tipo de isenção. Além disso, 13 mil cônjuges de titulares com rendas superiores a R$ 8,6 mil utilizam a assistência sem nenhum investimento. Para isso, propõe-se que esta categoria tenha teto específico.

  • Ampliação da idade para dependentes

A assistência à saúde do Ipsemg abrange hoje dependentes de até 34 anos. Após reuniões realizadas com os sindicatos, surgiu a sugestão de ampliar esse limite de idade para 38 anos. Portanto, foi proposta a extensão do atendimento para a faixa etária até 38 anos, com uma contribuição fixa de R$ 90 para o público de 21 a 38 anos.

  • Alíquota adicional para público idoso

Os beneficiários de 59 anos ou mais, são a maior parte dos beneficiários do Ipsemg e, de modo geral, demandam cerca de três vezes mais a assistência à saúde. Com vista a garantir o atendimento para este público, com mais oferta, está sendo proposta uma alíquota adicional de 1,2% para titulares e cônjuges que tenham 59 anos ou mais.

  • Contribuição patronal

A contribuição patronal de 50% pelo Governo de Minas será preservada. Na proposta, o estado vai ampliar sua participação no Ipsemg em cerca de R$ 174,4 milhões, ou seja, o estado irá contribuir com mais recurso.

LEIA TAMBÉM

AG – PILOTO – HOME E SIDEBAR – 300×250

LEIA TAMBÉM

Frente ampla de servidores pede a suspensão da PL do Ipsemg

Foto: Crédito: Guilherme Dardanhan/ALMG A "Frente em Defesa do Serviço Público de Minas Gerais", da qual fazem parte 29 entidades, entre elas o SindUTE/MG, que representa os servidores da Educação, formalizou ofício junto aos gabinetes dos parlamentares da Assembleia Legislativa manifestando sua posição contrária ao Projeto que, se aprovado, introduziria uma série de mudanças no Ipsemg (Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais). No documento apresentado aos deputados, a Frente enumera as principais alterações prevista no projeto e que, segundo ela, causaria grandes prejuízos aos servidores, necessitando por isso mais tempo para debates e discussões antes de sua votação. Entre os itens que as entidades se manifestam “de forma unânime, total e completamente contrários”, destaca-se a alteração de Lei Complementar para Lei Ordinária. “Ao utilizar-se de lei ordinária e não lei complementar, futuras alterações das regras da assistência não necessitarão de maioria absoluta da ilustre casa legislativa, tornando a legislação do Ipsemg mais fácil de ser alterada e trazendo insegurança aos beneficiários”. Outro ponto de discordância é o aumento do teto de contribuição que hoje é de R$ 275, 15 e que passaria para R$ 500 e também a obrigatoriedade de contribuição para os filhos menores de 21 anos, que hoje são isentos de pagamento. Outro ponto também discordante é o aumento do valor mínimo de contribuição que hoje é de R$ 33 e passaria, com a aprovação da lei para R$ 60, mesmo  valor que também passariam a pagar os filhos até 21 anos. O PL ainda estipula que os valores de piso e teto serão por beneficiário e exclui do cômputo do teto o valor de contribuição do cônjuge. Desta feita, o beneficiário passará a contribuir com valores acima do teto atual, vez que, além do aumento no seu valor, a contribuição referente ao cônjuge não estará incluída no cálculo do teto”, salientaram. Outro ponto também questionado pela Frente é a alíquota adicional para maiores de 59 anos, que seria de 1,2% para o titular e seu cônjuge. Deste modo, a contribuição final será de 4,4%.  a Frente também apresentou questionamentos em relação a cobrança por dependente, alterações no Conselho de Beneficiários; redução de cobertura de internação e procedimentos e incidência de contribuição para o custeio da assistência médica sobre gratificações natalinas e sobre retroativos a receber.

Leia mais