Equipe da PM de Ipatinga parte em missão para apoiar o RS

Em comunicando enviado hoje à imprensa regional, o major Átila Porto, comandante da 12ª Companhia de Meio Ambiente da Polícia Militar de Minas Gerais, sediada no Vale do Aço, anunciou o envio de uma equipe para o Rio Grande do Sul. A missão tem como objetivo apoiar a Brigada Militar, especialmente nas operações relacionadas ao momento vivido pelo Estado, que vem sendo assolado por fortes chuvas e a maior enchente de sua história.

O major esclareceu que não estará presente na missão, mas destacou a importância da mesma para o apoio à Brigada Militar gaúcha, especialmente em atividades como busca e salvamento em áreas alagadas, entrega de suprimentos como remédios e alimentos, resgate de pessoas e animais ilhados, além da proteção do patrimônio.

A equipe que partirá em missão é composta pelos sargentos Nilton de Assis e Alessandro Zoia, juntamente com o soldado Igor Lopes. Eles sairão de Ipatinga com uma equipe altamente preparada, equipada com veículos militares, embarcação e demais recursos logísticos necessários para a operação.

O major Porto ressaltou a importância da missão em um momento de calamidade no Rio Grande do Sul, onde há relatos de saques, furtos e roubos. Ele enfatizou que o policiamento ambiental será crucial nesse contexto e que a equipe está pronta para contribuir da melhor forma possível.

A equipe da 12ª Companhia de Meio Ambiente se reunirá com outros militares do estado e de diferentes portfólios da Polícia Militar para formar um comboio em direção a Porto Alegre, onde poderão somar esforços e contribuir de maneira efetiva com as operações de apoio.

O comandante da 12ª Companhia expressou sua satisfação em poder contribuir com tropas nesse momento de necessidade e sofrimento no Rio Grande do Sul, destacando a importância da solidariedade e cooperação entre os estados em momentos de crise.

LEIA TAMBÉM

AG – PILOTO – HOME E SIDEBAR – 300×250

LEIA TAMBÉM

Frente ampla de servidores pede a suspensão da PL do Ipsemg

Foto: Crédito: Guilherme Dardanhan/ALMG A "Frente em Defesa do Serviço Público de Minas Gerais", da qual fazem parte 29 entidades, entre elas o SindUTE/MG, que representa os servidores da Educação, formalizou ofício junto aos gabinetes dos parlamentares da Assembleia Legislativa manifestando sua posição contrária ao Projeto que, se aprovado, introduziria uma série de mudanças no Ipsemg (Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais). No documento apresentado aos deputados, a Frente enumera as principais alterações prevista no projeto e que, segundo ela, causaria grandes prejuízos aos servidores, necessitando por isso mais tempo para debates e discussões antes de sua votação. Entre os itens que as entidades se manifestam “de forma unânime, total e completamente contrários”, destaca-se a alteração de Lei Complementar para Lei Ordinária. “Ao utilizar-se de lei ordinária e não lei complementar, futuras alterações das regras da assistência não necessitarão de maioria absoluta da ilustre casa legislativa, tornando a legislação do Ipsemg mais fácil de ser alterada e trazendo insegurança aos beneficiários”. Outro ponto de discordância é o aumento do teto de contribuição que hoje é de R$ 275, 15 e que passaria para R$ 500 e também a obrigatoriedade de contribuição para os filhos menores de 21 anos, que hoje são isentos de pagamento. Outro ponto também discordante é o aumento do valor mínimo de contribuição que hoje é de R$ 33 e passaria, com a aprovação da lei para R$ 60, mesmo  valor que também passariam a pagar os filhos até 21 anos. O PL ainda estipula que os valores de piso e teto serão por beneficiário e exclui do cômputo do teto o valor de contribuição do cônjuge. Desta feita, o beneficiário passará a contribuir com valores acima do teto atual, vez que, além do aumento no seu valor, a contribuição referente ao cônjuge não estará incluída no cálculo do teto”, salientaram. Outro ponto também questionado pela Frente é a alíquota adicional para maiores de 59 anos, que seria de 1,2% para o titular e seu cônjuge. Deste modo, a contribuição final será de 4,4%.  a Frente também apresentou questionamentos em relação a cobrança por dependente, alterações no Conselho de Beneficiários; redução de cobertura de internação e procedimentos e incidência de contribuição para o custeio da assistência médica sobre gratificações natalinas e sobre retroativos a receber.

Leia mais